0

Father’s day lunch with Bolivian dish

So yesterday was Father’s day here in Brazil and as a special treat to my father, I decided to cook his favourite recipe. You see, he’s from Bolivia and they got some crazy food in there. I mean peanut soup? Ugh, I’m not one for trying different things, I must admit. Anyway, he just loves this dish that’s called Puchero. There are a few versions of it (you can find many different recipes on sites), but for this one, I used rice, potatoes, corn, cabbage and cow ribs. All ingredients are cooked together in a huge pan. In the end, there is a tasteful broth that my family savours as an entrée and that I forgot to photograph.


Above, corn and cabagge ina different bowl from the meat, rice and potatoes; there was not one big enough to put everything together

The recipe is quite easy, you start with the meat and, slowly, you add the other ingredients. Personally, I don’t like it. I love potatoes and rice, but when you cook all these things together… well, I don’t know, the whole thing tastes weird to me. But everyone loved it and papá was quite happy, which was the goal, right.

For dessert, chocolate creme, one other thing he loves. This one was even easier, but I think it was a tiny little bit sweeter than what would be necessary in the end. And it did not really made a perfect match with the main course. Of course, none of it is important since my father appreciated the whole thing.

As for me, as I was too tired to cook something I could eat, I ate a delicious Hot Pocket. \o/

Advertisements
0

Cake and felt ornaments: done!

And so I made the cake. It turned out just as delicious as I had predicted and, the best thing, it is HUGE. My mom had some friends over on Saturday , which means we’ve been eating it since then and it is still not over! There’s a bit less than half of it and I’m starting to think that it might never end. That is some comforting idea, let me tell you! I made only one small alteration to the recipe: the flaked coconut wasn’t toasted at all. It’s not that I don’t like it that way, but I was feeling very lazy and just couldn’t bother to do it. I mean, I had been up since six thirty that morning after sleeping only four hours, so I wasn’t really up to the whole thing. Next time I make it, wanna try using dulce de leche. Oh, it’s gonna be unbelievably good, I betcha.

Oh, I finally got my camera back and photographed some of the lovely ornaments I’ve been making. These are cute little felt mittens with embroidery all over ’em. They were wuite easy to make and I really like the embroidered effect. I also wish I could tell ya that the diference in size of the star-type thingies was made on pirpose, but this would be a big fat lie. Well, what to do? I suck at freehand actions of all sort. Spontaneity is definitely no friend of mine. I still have a lot of these to finish, so I’ll show the complete batch once eveything’s ready, ok?

0

Viva México!

O México é pop e não é de hoje. O “fenômeno” é visível everywhere: revistas de todos os lugares fazem editoriais inspirados na estética mexicana, livros sobre a culinária e arquitetura do país abundam as livrarias e referências ao Dia dos Mortos podem ser achadas aos montes pela net. Pra resumir, basta dizer que tem muita coisa mexicana ou inspirada que faz sucesso e toooodo mundo adora.

Os antenados em moda, por exemplo, podem resgatar as batas com bordados tipicamente mexicanos que fizeram sucesso nos anos 70. Como a década volta com tudo e invade o estilo atual, vestidinhos soltos e fresquinhos com as tradicionais flores bordadas são uma boa opção para enfrentar nosso verão sem perder o estilo.

Os vestidos acima vieram do editorial de moda da penúltima edição da francesa Marie Claire Idées. Eles se inspiraram no colorido mexicano e em Frida Kahlo para produzir os visuais utilizados, misturando estampas e tons. Meus itens preferidos são… bom, posso escolher todos? Adorei os vestidos, o penteado (já vi em algum lugar que as tranças também vão estar em alta nos próximos meses), os brincos e pulseiras… Para ver maior, é só clicar em cima de cada foto.

Já essas duas peças aí em cima foram garimpados em um brechó do eBay, o Mama Stone Vintage. Elas são originais dos anos 70, liiindas! Pensando bem, não consigo concluir se o vestido todo branco tem bordados na gola ou se são furinhos que deixam entrever o corpo tatuado da modelo. De qualquer modo, o colar dela tem uma pegada mexicaninha, não? A fitinha na testa completa o look e o deixa uma graça.

Se você ainda não está convencida a apostar em itens com inspiração mexicana, dá uma olhada nesse link aqui: http://estilo.uol.com.br/moda/spfw/ultnot/2008/06/21/ult3902u746.jhtm. É um textinho do UOL falando sobre o desfile da Isabela Capeto na última Fashion Week. A estilista se inspirou no México e levou à passarela um bocado de saias com babados e peças bordadas bem legais.

Coma como um mexicano
Depois desse título-referência (Walk like an Egyptian, lembram?), devo dizer que eu não sou LOUCA por tacos, guacamole e afins (ainda prefiro um japa!), mas curto algumas cositas. Quesadillas, chilli com carne e tortillas com recheios variados (mas sem pimentão, pelamor!) são meus pratos preferidos, mas tudo o menos picante possível. Assim, eu sou bem fresca pra comida, então não sirvo de parâmetro. Meu irmão é mais soltinho na vida (nesse sentido, ok) e, ao que parece, traça todo e qualquer prato mexicano que colocarem na frente.

Para aprender receitas delicinha, vale o livro da foto, A Cozinha Mexicana, da editora Larousse, ou esse site: http://www.recipehound.com/Recipes/mexican.html. Gente, tem miiiilhares de pratos pra aprender nesse link. De qualquer jeito, acho bem válido ter um livro (esse ou qualquer outro que você prefira) sobre o assunto, com as fotos bonitinhas e tudo o mais.

Lucharán!
Pra continuar nosso passeio feliz por tudo que é mexicano e faz sucesso, não podia deixar de falar do desenho mais legal EVER, o Mucha Lucha! Ricochete, Pulga e Buena Niña, personagens principais, levam a vida tranqüila de um típico lutador de Lucha Libre. Eles vão pra escola (sim, os três são crianças), passeiam por aí, descobrem seus “poderes” (ok, não é bem isso, mas eu não sei o nome certo) e arranjam confusão com os colegas. Tudo dentro de suas máscaras. É, porque um verdadeiro lutador não pode NUNCA-EM-TEMPO-ALGUM mostrar seu rosto. A-DO-RO!

O desenho passa na Cartoon, acho. Quer dizer, eu vi o fim de um episódio hoje no fim da tarde e posso quase jurar que foi na Cartoon, mas como não tô acostumada a ver TV à tarde e durante a semana, já viu… posso bem ter confundido tudo!

Ah, e se você se empolgou e quer comprar uma máscara superhipermegalegal, é só clicar aqui! Destaque para Santo, também conhecido como El Enmascarado de Plata, o preferido de mi papá quando ele era pequeno.

Dia dos Mortos
Outro ponto beeeem legal dessa “mexicanidade” é o Día de los Muertos, que é o nosso Finados. A idéia básica é a mesma, mas a forma de ver a data é diferente. Enquanto a gente veste uma roupa “de luto”, fica triste e faz o dia cinza, os mexicanos fazem da coisa toda uma FIESTA! Bom, ok, não uma feeeesta, mas uma festa, entendem? Acontece que essa comemoração data de bem antes da chegada dos espanhóis e sua religião por lá. Enfim, pra eles, o que conta é realmente celebrar a vida dos que já se foram. Aí todo mundo constrói altares pra homenagear seus mortos e pra que eles vejam que são queridos. Ah, sim, é que, nesse dia, os mortos meio que voltam e podem contatar seus familiares vivos. A história é maomeno assim, mas o que conta aqui é que as celebrações deles envolvem muitas cores, enfeites mil, handcrafted goods, caveiras simpáticas e tudo o mais.

A foto ao lado foi encontrada no link aí embaixo e mostra um altar em Oaxaca.
http://www.flickr.com/photos/slack-a-gogo/sets/785696/

Visite o México!
Depois disso tudo, é provável que tenha dado uma vontadinha irresistível de ir até o México pra experimentar um pouco da cultura, moda e culinária in loco, néam? Dicas de lugares onde ficar, comer e passear podem ser conseguidas em inúmeros guias de viagem. Esse aí é o México Chic, lançado pela Publifolha. Adoro fotos de guias de viagem e acho que eles podem servir pra dar uma idéia geral do que esperar de um lugar. Sem falar que conhecer tantos lugares, mesmo que só pela leitura, já é uma maravilha!

E só pra explicar meu encanto todo pelo México: minha mãe já devia saber que seria assim ao me chamar de Adriana Augusta. Nome duplo, bem novela mexicana. Adoro!

0

Post gordinho

Ultimamente, eu tenho fome o tempo todo. Não sei se é o resultado da quase-dieta que que tô fazendo ou se é só um alien na pancinha, mesmo, como diria uma amiga. O negócio é que eu tenho andado super procurando receitinhas gostosas em blogs de culinária pra fazer e acabar com uma parte dessa fome sem fim que me consome. Um dos que eu mais gosto é o Rainhas do Lar, feito por duas amigas (uma em São Paulo, a outra na Bahia) e que tem, além de receitas, diquinhas de todos os tipos.

Separei algumas das minhas preferidas do dia (é, porque sempre que eu entro lá, saio com 3671468 receitas diferentes pra fazer). Confiram e se deliciem! Vale a pena tentar fazer, porque tá tudo com uma cara pra lá de boa, né?

Creme de coco com calda de Nutella. Fala sério, o que dizer sobre essa sobremesa? Adoro coco e, embora não seja a maior fã de Nutella do mundo, muito me agrada a mistura desse creme de chocolate com frutas, biscoitos e pãezinhos doces. Tem pouca coisa mais deliciosa que um crepe quentinho de Nutella com coco quando você está seca pra comer um doce, por exemplo. O que eu achei melhor nessa receita é que você pode fazer tudo meio que rápido. Odeio docinhos que demoram muito tempo para ficar prontos. Minhas lombrigas não agüentam. Clique na fotinho para ir para o post original!

Ravioloni de abóbora com queijo. Para quem é louco por uma massinha, essas misturas sempre são uma boa pedida. Afinal, é meio chato comer sempre o mesmo macarrão e só mudar o molho. Delicioso, sim, mas cansa, né. Enfim, ando meio obcecada por massas diferentes, com recheios idem, e essa receita parece bem fácil de fazer. Clique na fotinho para ir para o post original!

Bolo de tapioca com cobertura de leite condensado cozido (que é igual a doce de leite na maioria das vezes, mas não todas porque, afinal, algumas pessoas não deixam o tempo necessário. É, tipo eu). Assim, eu nem gosto de tapioca, mas esse bolo é uma coisa totalmente diferente e, com certeza, vai ser feito na minha casa nesse fds. Na realidade, talvez eu também o faça na casa do meu pai. Aí está uma vantagem de ter duas casas: sobremesas em dobro! Clique na fotinho para ir para o post original!

E that’s all by now, folks.

PS: tinha pensado em começar a postar em inglês também, mas desisti. Não tenho tempo direito nem pro português, gente. Ia ser bem divertido, mas não rola. Portanto, o post passado foi o primeiro e último desse jeito. R.I.P. e tra la la.

1

Delícias do verão 2008

Após um gigantesco período de hiato, resolvi que tenho que me esforçar para manter isso aqui up and running! Além do mais, apesar de ter dado um tempo nos crafts (por pura falta de tempo, um saco!), ando comprando revistas e vendo coisas lindas na internet; tudo isso, claro, tem que ser compartilhado de algum modo.

Minha paixão mais recente é a revista Casa e Jardim, da Editora Globo. Só fui prestar atenção nessa revista porque meu pai e a mulher estavam reformando a casa e a Sílvia sempre comprava pra se inspirar com as dicas e idéias. Depois do primeiro contato, não demorou muito para que cair de amores por ela. Adoro as matérias (o pauteiro dessa revista rox, seriously!), os achados de lojinhas, lojonas e antiquários, o projeto gráfico… tudo, enfim! A edição de janeiro já está nas bancas e eu resolvi mostrar algumas coisas aqui.

Revista Casa e Jardim, edição de janeiro/08

Pela capa, você já sabe o que vem pela frente: tendências, tendências e tendências. Nada daquela coisa escandalosamente luxuosa, louca, conceitual e quase inatingível (pra mim, pelo menos) da Vogue; na Casa e Jardim tudo é muito palpável e tem bem cara de casa da gente, mesmo. Dá pra se imaginar nos ambientes que eles mostram fazendo um tricôzinho, lendo um livro ou qualquer outra coisa, super confortável, esparramada num sofá e tal, sabe?

Revista Casa e Jardim, edição de janeiro/08

Bom, essa imagem acima é de uma sala de lareira feita pelo Sig Bergamin. Linda de morrer, com influência do estilo provençal que dá o tom na decoração da casa toda. Só por esse ambiente, já dá vontade de conferir todo o resto da casa e da revista, não?

Revista Casa e Jardim, edição de janeiro/08

Outra coisa pra lá de legal é a matéria sobre como compor um jantar com cara de verão: ingredientes crus são os destaques, junto com os acessórios e utensílios coloridos. No cardápio, gaspacho, tartar de salmão com pêra e sorvete de limão com calda de framboesa. Para acompanhar a refeição, uma deliciosa sangria, que é o que você vê aí embaixo.

Revista Casa e Jardim, edição de janeiro/08

E que tal já começar a se deixar levar pelo clima e fazer uma festinha com a sangria como convidada especial? Segue a receita tirada diretamente das páginas da revista Casa e Jardim. E, gente, de verdade: vale muito a pena comprar essa belezura. As outras receitas são bem legais, também.

Sangria (revista Casa e Jardim, edição de janeiro/08)

Ingredientes
2 garrafas de vinho tinto seco
300g de abacaxi em calda
2 pêras sem casca, cortadas em cubos pequenos
300 ml de água gaseificada sabor limão
2 copos de suco de laranja
2 laranjas cortadas em rodelas, sem sementes (separe uma para enfeitar a jarra)

Preparo
Misture todos os ingredientes, inclusive a calda do abacaxi, e coloque em uma jarra. Ponha gelo para manter a temperatura bem fria. Enfeite a jarra com uma rodela de laranja.

Rendimento: 6 pessoas

1

Still alive

Depois de umas mudanças no meu trabalho, meu tempo ficou mais escasso. Não é nem que eu tenho taaaanta coisa pra fazer, mas eu ando me estressando em dobro por causa das responsabilidades extras. Mesmo assim, consegui um tempinho para me dedicar a alguns crafts para desanuviar a mente.
Os moranguinhos em tricô abaixo, feitos com receita tirada daqui, foram para uma amiga da redação que fez aniversário recentemente. O conjunto era formado por três unidades, mas a terceira estava perdida no momento da foto. Foram super-fáceis de fazer, assim que eu peguei o jeito de usar o joguinho de agulhas de ponta dupla.

moranguinhos-sachê

Já os cookies são de verdade e foram feitos domingo à noite. Já estava ensaiando assar uns biscoitinhos há um bom tempo, mas sempre faltava alguma coisa, ingrediente ou tempo, mesmo. A receita é de algum lugar da internet, mas não tem segredo, é daquelas bem básicas. Adicionei um pouco de chocolate em pó à massa, para que ela ficasse mais escura e com um gostinho diferente. Também coloquei um pouco mais de gotas do que o recomendado. Os cookies ficaram bem saborosos, mas o problema foi o tempo de forno. Quinze minutos era o que dizia a receita, mas eu deixei mais e ficou bom do mesmo jeito. Não gostei muito dos que ficaram menos tempo porque eles não endureceram depois, continuaram meio molengos; gostosos, sim, mas molengos.

cookies de chocolate

Fora isso, tenho alguns outros projetos em andamento (tudo em tricô): uma boina com linha laranja; mais moranguinhos, corações e um porta-ipod/celular azul para um troca do flickr. Fico pensando: como seria ter uma tarde inteira pra tricotar e fazer todas essas coisas? Sonho, hein!